segunda-feira, 5 de abril de 2010

escape

por Cristina Thomé

Quando sorrio ninguém diz que as coisas estão complicadas. Estava pensando nisso pela manhã. Faz frio e gosto de sentar no banco da praça perto de casa. Sinto-me confortável com o suéter de lã e o cigarro entre os dedos. Depois de uma longa tragada, cubro a paisagem com uma nuvem de fumaça vinda direto dos pulmões.

Me abandono no momento calmo, na trégua comigo mesmo. Venho me adaptando bem, desde a última internação. Tenho medo de me descontrolar novamente. Por cautela, tenho usado de minhas táticas: o sorriso, um verdadeiro calmante social – mesmo quando o fluxo de pensamentos é contínuo e estonteante, uma viagem ruim. E, ultimamente, falo pouco. Um dia sucede o outro. Quem sabe eu consiga não voltar para lá.

3 comentários:

Jullia A. disse...

'e o medo da gente mesmo.

Cristina Thomé disse...

se é juliia, se é...

Neuzza Pinhero disse...

são os sinais vermelhos de lucidez,
Cris
Leminski dizia que ver é violento