quarta-feira, 27 de outubro de 2010

francisco


Por Cristina Thomé

Há um Francisco que me acompanha desde a adolescência. Distanciados um do outro, ele aparecia vez em quando em forma de carta, trazendo um pouco de si. Entre tantas coisas, lembro-me de como se sentiu pequeno ao presenciar um vilarejo ser inundado no sertão. A água que subia inundava a ele próprio com a solidão daquele lugar.

Presença sutil, Francisco continua a me acompanhar de longe. Pelo pouco que também sei, continuo acompanhando-o daqui. Não sei exatamente do que Francisco gosta, exceto seu time de coração. De minha parte, amo Elvis Presley, Willie Nelson, tempo de chuva, a chuva, sorvete de creme, andar descalça, simplicidade, ficar quieta, paz...

Francisco me diz que é triste o que escrevo. Diria a ele que é morno, com gosto de domingo à tarde, de brisa tépida, bebendo vinho sob as árvores no sítio de minha infância. O que talvez eu sentisse sendo adulta na minha criança. Um deixar-me ficar, sem pressa.

De Francisco, continuo guardando o olhar profundo e interessado. Sei que ele tem pessoas que ama, muito. Sou grata pela delicadeza de sua presença.

3 comentários:

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Crikas do meu coração,

Que bom ser o primeiro a comentar seu retorno. Voltou e voltou bem, intensa e calma. Água de lagoa, mansa e prateada na superfície, profunda e misteriosa no âmago.

Mas devo discordar de Francisco (esse que pode ser rio, que pode ser infância, que pode ser canção de ninar). Não é triste o que você escreve, é melancólico. E melancolia carrega uma beleza rascante de coisas, uma saudade de não sei o que que ficou não sei onde, um desejo do inexistente e uma urgência de que tudo deixe de ter pressa.

Não é triste o seu texto. Carrega a beleza de um rio onde deitamos os olhos com certa angústia por sabermos que jamais veremos a mesma delicadeza, visto que o rio sempre muda e nós sempre mudamos.

É lindo!!!

Viva, viva, viva!!! Um brinde a volta!!!

Cristina Thomé disse...

Ô Gui, poesia pura seu comentário... Que honra! Fui no Espelho: mudanças boas por lá! Te amo, viu...

Fernanda Magalhães disse...

Cris, como seus textos são lindos!
Tristes? Melancólicos? Nem sei. Sei que me emociono com eles.

Bom abrir meu blog e ver novas postagens no teu.
bjs